+55 81 30932991 contato@migueluchoa.com

politicamente-correto

CONCEITO E PRECONCEITO EM UMA SOCIEDADE CONFUSA

Depois do episódio lamentável em que a instituição financeira Banco Santander promoveu, sob a guarita da Lei Rouanet, dinheiro público, uma suposta “exposição de arte” onde parte das obras eram ofensivas à moral, ao bom censo, à mente de crianças, à fé cristã da maioria da população brasileira, e à raça negra. Como cristão e Bispo da Igreja Anglicana no Brasil-Diocese de Recife, estando distante de sermos “iconoclastas”, cientes do papel pedagógico e reflexivo da arte na sociedade, defensores do uso das artes na igreja, repudiamos veementemente o ocorrido. Não havia arte naquilo. A arte as vezes pode ser até ambígua, mas não vale tudo na arte. A instituição mostrou sua fragilidade quando emitiu uma nota aos funcionários e outra para a população com posturas diferentes.

Duas pessoas estavam observando um quadro em uma exposição. Um deles pergunta ao outro que acha? E ele responde tentando mostrar entendimento na área, fala das tonalidades dos traços e observa o detalhe no canto do quadro, alguns riscos que segundo ele mostrava um coração angustiado e saiu descrevendo aquilo. O outro observador pergunta: Esses traços aqui? E ele responde, sim veja a profundidade disso. O outro diz, amigo isso é a assinatura do artista.

Pode parecer apenas uma brincadeira, mas em nome da arte e mostrando-se inclusivo o ser humano deixa passar essas coisas. A sociedade vai tendo a sua mente cauterizada pela massiva divulgação de que a postura do politicamente correto significa um vale tudo, em todas as áreas da vida da sociedade. Tudo ou todos que se opõem a algo ou a alguém, são imediatamente taxados de “preconceituosos”. Não aceitamos isso, as coisas não podem caminhar nessa direção.

Preconceito_ Opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência ou razão; prevenção. [1]

Atente, como cristão, eu tenho um conceito de mundo e que democraticamente devo ser respeitado nesse conceito que tenho. Não tenho preconceito pois não estou omitindo opinião antecipada sobre qualquer pessoa independente de minha experiência ou razão, segundo a definição do termo. Pela minha razão, que se baseia no meu quadro de valores, e que inclui minhas crenças e ideias, eu tenho um conceito formado. Preconceito eu teria se, sem conhecer, sem avaliar, sem querer estudar, sem querer considerar outros fatores que envolvem aquele conceito eu, me negasse a aceitar. Preconceito eu vi no documentário “O paradigma da Igualdade cap 1” onde um grupo de sociólogos e defensores da transexualidade por exemplo se negarem a aceitar a opinião dos cientistas quando em suas pesquisas não encontravam base biológica para tal conceito. Eles simplesmente dizem “a nossa experiência é o que vale”. Se dissessem “respeitamos suas pesquisas, mas temos um conceito formado sobre isso” não, eles foram preconceituosos quando inclusive disseram que eram “apenas pesquisadores norte americanos”

Não tenho pré-conceito com rock por exemplo, mas tenho gosto. Gosto muito de Bob Dylan, mas não suporto o grupo sepultura. Tenho um conceito, um gosto que considero refinado. Preconceito eu teria se eu lhe julgasse ter um gosto ruim porque você gosta do grupo sepultura, o preconceito seria contra você e nem seria contra o grupo, pois dele eu tenho um conceito.

Tenho um conceito formado sobre sexualidade, que claro, é baseado em meu quadro de valores e crenças. Não concordo com a prática, entendo como um desvio de propósito da criação etc. Esse é o meu conceito. Teria eu preconceito se, de antemão taxasse qualquer pessoa, seu caráter, sua correção, por ser ele(a) homossexual. Da mesma forma será preconceito você me taxar agora de retrogrado e outros adjetivos porque meu conceito difere do seu.

Alguém entro em um avião e vê na fileira da frente um homem com traços de alguém oriundo do oriente médio e da religião mulçumana. Imediatamente se incomoda e pensa esse avião está sob risco de sequestro, ele deve ser um homem bomba. Sem saber quem era, o julga pela aparência antecipadamente com sentimento desfavorável. Descobre depois que ele é um pastor evangélico vivendo em um país de maioria mulçumana e que sofre muita perseguição por isso. (caso fictício). Esse alguém foi preconceituoso, emitiu um conceito sobre aquele homem baseado em uma aparência e na realidade, ele é quem sofre preconceito em seu pais. Meu conceito equivocado de que todo mulçumano é um risco prevaleceu ali.

Defendo o respeito a todo e qualquer cidadão(ã) independente de seu credo ou opção. O cidadão(ã) deve ser imune a isso pois ele(a) paga seus impostos e precisa ter os mesmos direitos em uma sociedade igualitária e democrática como pretendemos ser. No entanto não tem sido assim, essa exposição, nos tempos das mídias sociais, mostrou que a tentativa de impor um ponto de vista está presente em todos e percebo que os que se dizem tolerantes, são muitas vezes os mais intolerantes. Meu único questionamento foi “onde está a arte em uma hóstia onde se escreve palavras de baixo calão ou inapropriadas? Onde está a arte em um quadro onde duas pessoas “curram” um cachorro indefeso? Ou onde um negro é currado por duas pessoas. Comparar com os quadros da mitologia pintados por Michelangelo ou dizer que as imagens dos ídolos nus desse autor são indecorosos é a mesma coisa é mostra de ignorância. A nudez não é indecorosa, e a dita exposição não mostrava apenas nudez.  Não serei politicamente correto para agradar quem quer que seja, minha mente está cativa a Cristo e somente a Ele, em ultima análise desejo agradar.

Miguel Uchoa

Bispo Anglicano de Recife

[1] Dicionário Michaelis

ABOUT THE AUTHOR
Miguel Uchôa

Miguel Uchôa Cavalcanti é bispo anglicano da Diocese do Recife (PE) e reitor da Paróquia Anglicana Espírito Santo (PAES), na cidade de Jaboatão dos Guararapes, região metropolitana do Recife, desde 1996, quando a fundou. Bacharel em Teologia com pós-graduação pelo Seminário Teológico Batista do Norte. Engenheiro de Pesca com especialização em Israel, China e Brasil. É casado com Valéria e pai de Gabriel e Matheus.