+55 81 30932991 contato@migueluchoa.com

Anglicanismo e Contemporaneidade
Adoração, Liturgia, Missão

E ninguém põe vinho novo em vasilhas de couro velhas; se o fizer, o vinho rebentará as vasilhas, e tanto o vinho quanto as vasilhas se estragarão. Pelo contrário, põe-se vinho novo em vasilhas de couro novas”. Mc 2:22

O que há de comum em todas essas imagens abaixo? Observe bem, dê um clique nela…

Imagem1

Creio que você deve ter observado nos mínimos detalhes, mas, se não fez, volte, olhe foto por foto e tente imaginar o que essas imagens representam. Volte lá…. Voltou? Muito bem, se você não conseguiu ter uma ideia do que se trata, deixe-me ajudar. Essas são imagens de diferentes celebrações, em diferentes igrejas anglicanas, por diversos países e regiões do globo, inclusive na Inglaterra.

Você deve ter percebido a diversidade dessas imagens, não é? Pois bem, isso se chama ethos anglicano, e significa que não há uma só maneira de ser anglicano, mas várias, com muitas outras mais para ainda serem criadas. A riqueza desse ramo histórico do cristianismo está em sua diversidade.

A ignorância histórica e contemporânea tem levado muitos à tentação de taxar pela aparência e pela forma a essência de tantas coisas. Parece clichê, mas será que a essa altura da história da humanidade, com o avanço das ciências sociais e de tantas outras ciências humanas, ainda estamos tentando taxar o ser humano e enquadrá-lo em uma única maneira de ser? Será que ainda estamos tentando colocar rótulos naquilo que não admite rótulo?

Tenho tido o privilégio de viajar por diferentes continentes já faz algum tempo. Devido à minha posição como pastor e, posteriormente, como bispo, tenho conhecido e me encantado cada vez mais com o mundo anglicano e com a sua diversidade. Desde a África e a  Europa, passando pelas Américas e pelo continente asiático, essa igreja tem se expressado de tantas formas e com tanta diversidade quanto é possível ao ser humano e suas ilimitadas expressões. Mas ainda existem aqueles que querem uniformizar a maneira de ser cristão e, dentro de nosso meio, também a maneira de ser anglicano.

A Igreja Anglicana no Brasil já passou dessa fase e essa discussão agora faz parte do passado. No entanto, os resquícios dessa atitude retrógada por vezes reaparece aqui e ali; curiosamente, mesmo entre aqueles que não têm origem em nossa igreja, e que assim, por serem oriundos de outros ramos do protestantismo, acabam seguindo em uma direção polarizada. Isso pode ser uma reação até natural, mas é algo que, certamente, a maturidade, o senso de missão e um melhor conhecimento evitaria.

Tenho refletido e estudando este texto do capítulo 22 do evangelho de Marcos com certa frequência e há tempos cheguei à conclusão que o odre velho, como tantos dizem, não simboliza apenas as estruturas, as formas, as liturgias etc. Longe disso, o odre velho está bem presente na mente dessas pessoas que reagem ao novo rejeitando o antigo, ou que querem segurar o antigo reagindo ao novo.  Esse é um conflito geracional que precisa ser vencido e que somente se pode vencer quando descemos à essência do conceito da missão, que cada um de nós temos, enquanto cristãos e enquanto igreja.

O Odre velho é a mente cauterizada e enferma, focada apenas nas formas e nas tradições? Sim. Mas, o Odre não é a tradição em si e sim a mente que transforma essa tradição em essência, quando, na verdade, ela é instrumento e história. A essência da Igreja cristã, seja ela anglicana ou de qualquer outra matiz histórica, nunca poderá ser a sua forma, mas sua missão.

O anglicanismo é versátil e se move em uma velocidade de adaptação incrível, e isso é motivo de alegria para todos nós. Os “sociólogos de plantão” estão tentando transformar o fenômeno da multicultural e intergeracional expressão da igreja em um fenômeno de alienação e superficialidade, alegando que tudo isso faz parte de uma cultura por meio da qual se tenta trazer para a igreja as expressões da sociedade.

Muito bem, isso é mais que verdade. Caso contrário, estaríamos tentando enquadrar uma geração e uma sociedade dentro de um padrão medieval que não vivemos faz tempo. Muitos cristãos, graças a Deus, entenderam que a linguagem e as expressões de cada tempo devem ser igualmente adequadas a seu tempo e esses grupos são os que estão fazendo a diferença na sociedade, levando muita gente a Cristo, vendo vidas transformadas e os bancos das igrejas voltarem a ser ocupados por gente e não por fantasmas.

O Sínodo da Igreja da Inglaterra vem discutindo o uso obrigatório de vestes litúrgicas há alguns anos e, recentemente, no Sínodo Geral de 2016, deu autorização oficial para que os clérigos, se preferirem, deixem de usar estas vestes nas celebrações regulares, restringindo-as às solenidades mais formais da igreja. Isso tem mostrado que como a flexibilização e o abandono do tradicionalismo tem sido benéfico para a igreja, que mantém sua tradição, mas tem seu foco na missão.

Os que fracassam na missão, justificam-se na fidelidade à forma. Isso é lamentável, Jesus nunca nos pediu isso. A sociedade moderna deseja ser desafiada. Steve Jobs, um dos empreendedores que mais contagiou o mundo com suas ideias e inovações, disse certa vez que “ queria produzir algo que as pessoas desejassem ter nas mãos”. Bem, ele conseguiu. Mudou a maneira de abordar, de vender, de fazer propaganda, mudou o estilo de se vestir, e o resultado foi simples: ele alcançou a sua meta.

Um dos maiores teólogos evangélicos vivos, J.A. Packer uma vez falou a respeito da Igreja de Holy Trinity Brompton, em Londres – uma igreja anglicana, evangélica, contemporânea, trabalhando na visão de uma igreja em diferentes lugares. Ele afirmou: “Esse é o tipo de igreja que o anglicanismo precisa”. E  Nick Gamble Reitor de HTB disse que certa vez um pastor disse a ele: “Uma igreja vazia é como um palácio vazio de um rei esquecido”.

Graças a Deus que muitas comunidades anglicanas e não anglicanas estão fazendo a leitura correta da história e do tempo em que vivemos. Menciono aqui alguns links que valem a pena serem observados:

Freshexpressions

https://www.freshexpressions.org.uk/

Redeemer Chicago

http://redeemeranglican.co/about/global-partnership/

Christ church Mayfar London

http://www.christchurchmayfair.org/

Chrit Church New York (CANA)

http://www.christchurchnyc.com/

Holy Trinity Bromnpton

https://www.htb.org/whats-on/locations#accordion-1

St Andrews Mt Leasant

http://www.standrews.church/

http://www.standrews.church/one-church-multiple-locations/

St Andrews city church

http://www.standrews.church/citychurch/

https://web.facebook.com/SACityChurch?_rdc=1&_rdr

Cada cristão deve ter em mente que seu maior objetivo é manter a missão. Recebemos uma missão, e falhar nela é falhar no chamado que temos como igreja.

Sociólogos de plantão que me perdoem, mas vocês estão enganados e perderam o bonde da história.  Eu quero pregar uma mensagem que todos desejem tê-la no coração. Este é o meu empreendimento.

Ainda longe de alcançá-lo, no entanto, sigo na direção que Deus tem me dado e me colocado neste momento da história

Miguel Uchoa

Bispo Anglicano

Reitor da PAES

Recife PE

ABOUT THE AUTHOR
Miguel Uchôa

Miguel Uchôa Cavalcanti é bispo anglicano da Diocese do Recife (PE) e reitor da Paróquia Anglicana Espírito Santo (PAES), na cidade de Jaboatão dos Guararapes, região metropolitana do Recife, desde 1996, quando a fundou. Bacharel em Teologia com pós-graduação pelo Seminário Teológico Batista do Norte. Engenheiro de Pesca com especialização em Israel, China e Brasil. É casado com Valéria e pai de Gabriel e Matheus.