+55 81 30932991 contato@migueluchoa.com

Domingo de Páscoa 47o Dia de Escuta

Há Esperança
Jo 20:1-18;1 Co 15:19-26
Mesmo as noites totalmente sem estrelas podem anunciar
a aurora de uma grande realização.
Rev Martin Luther King Jr 
Hoje é o grande dia da fé cristã, nesse dia está representada toda nossa esperança, o dia em que o ultimo inimigo foi vencido, a morte. Jesus triunfou sobre ela, abrindo todas as possibilidades àqueles que creem no seu nome. A profecia de Isaias aponta para a esperança Criarei novos céus e nova terra, e as coisas passadas não serão lembradas. Jamais virão à mente! Is 65:17ª
O Senhor detalha a Nova Jerusalém e mostra que a paz reinará com a vinda do salvador, o messias esperado. O tempo da prosperidade de Israel. O apóstolo Paulo escrevendo e esclarecendo aos coríntios tenta desmistificar a ideia de que não há ressurreição dos mortos e afirma que, se de fato não houver, somos os mais dignos de compaixão. A ressurreição é a esperança da fé cristã. O Evangelho de hoje mostra as mulheres perplexas diante do túmulo vazio e dão de encontro com os anjos reluzentes mostrando a elas o que havia acontecido, levando-as a lembrar de que Jesus havia previsto isso, ele disse que voltaria da morte, que venceria o ultimo inimigo.
Hoje estamos, portanto, celebrando a mais completa expressão do amor de Deus por nós, a saber, a derrota da morte. Todo aquele que crê, não morrerá, mas viverá eternamente diz o Senhor. Hoje celebramos a esperança e a fé cristã é pautada nessa palavra esperança, Paulo se dirige aos romanos dizendo “o Deus da esperança…”.
E hoje, eu e você podemos ter esperança, podemos olhar adiante e perceber que o túnel da desilusão, o túnel da tristeza, o túnel da morte não está escuro nem tem apenas uma luz em seu final, ele está totalmente iluminado pela presença de Jesus ressurreto em nosso meio. Como diz o cântico antigo:
Porque ele vive posso crer no amanhã,
Porque ele vive temor não há,
Mas eu bem sei, eu sei que a minha vida,
Está nas mãos do meu Jesus que vivo está
Toda a Escritura é voltada para este dia, as profecias anunciavam, Jesus anunciou, o Evangelho registrou e a história confirmou, ele voltou das trevas da morte para trazer a esperança para cada um de nós. Talvez você tenha motivos aparentes para estar em desesperança, talvez sua situação financeira, familiar, profissional, não esteja indo muito bem, mas esteja atento, Deus lhe mostrará um caminho, caminho que lhe levará a um túnel iluminado e você perceberá que o ditado que diz que “ a esperança é a ultima que morre” não encontra eco na fé cristã porque para um cristão, a esperança simplesmente não morre.
 
Minha Oração
 
Senhor, obrigado por ter me permitido esse tempo de escuta e por terminar esse período escutando o teu Grito de vitória, o ultimo inimigo foi vencido. Aleluia!
Leia Mais

Sábado 46o Dia de Escuta

Onde estás?
Jo 19:38-42;Hb4:1-16
As Batalhas são ganhas na vésperas
Marechal Foch
Chegamos finalmente ao ultimo dia dessa semana, não foi fácil acompanhar Jesus em sua trajetória até a cruz. Vimos seu sofrimento e dor, mas também aprendemos bastante e escutamos muitas vezes Deus falando claramente aos nossos corações. Hoje é um dia de silêncio e meditação, Jesus está morto, seus discípulos estão escondidos, amedrontados e os Líderes religiosos estão atentos a qualquer movimento. Mandam guardar o túmulo, desconfiam de tudo que possa perturbar seus planos de sepultar definitivamente Jesus e toda a sua mensagem.  Agem como se alguém pudesse deter o Deus de todo o universo em seus intentos. As trevas estavam festejando, o diabo se dava por vitorioso, mas eles não sabiam que o jogo nunca está ganho até que o juiz apite o seu final. E o Juiz aqui é a maior autoridade em todas as áreas. Ele tem seus planos.
O evangelho narra que dois judeus proeminentes se movimentam para providenciar o sepultamento de Jesus. José de Arimatéia e Nicodemus crerão em Jesus durante seu ministério, mas ambos ainda andavam  as escondidas como discípulos, era difícil explicar isso aos lideres judeus. Crer naquele que estava sendo amaldiçoado por eles. Mas mesmo assim eles se fazem presentes nesse momento e depois provavelmente foram seguidores fiéis. Ninguém passa por algo assim e segue da mesma forma. Essa experiência , com certeza, fortaleceu a fé desses homens.
O sábado santo, não foi um dia fácil assim como não é fácil seguir a Jesus em qualquer tempo. O exemplo dos discípulos no caminho de Emaús mostra o quão desesperados eles estavam, havia um sentimento de derrota entre eles, o que fazer? Como agir agora? Eles não enxergavam as promessas que haviam sido feitas por Jesus, as palavras onde ele mostrou que assim seria, seus olhos se fecharam ao desespero de ver seu Senhor cravado naquela cruz entre os assassinos e humilhado daquela forma.
Com uma certa frequência somos tentados a ver a derrota como algo muito mais provável do que a vitória e , como equipe que joga no campo dos outros, um empate já parece nos satisfazer. Mas não há empate com aqueles que servem a Deus, não há nenhuma possibilidade de estarmos de cabeça baixa quando nosso Deus está conosco. Hoje e um dia triste sim, de certa forma  é um dia de luto, mas perceba o texto aos hebreus e como o autor coloca a perspectiva divina de sucesso. Pode parecer até uma derrota, pode se assemelhar a tristeza, mas diante de todo desencanto a palavra vem como luz em meio as trevas de nosso coração não pensem vocês que falharam Isso tudo faz parte da pregação das Boas Novas. Como diz o salmista: o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã
Tire mais essa lição hoje, nunca esmoreça porque as vezes as coisas podem parecer como um sábado desses, mas tenha certeza que pela manhã você terá novidades. A luz vai brilhar nas trevas, sempre.
 
Minha Oração
Jesus, não consigo te enxergar, onde estás? Ou melhor Senhor, me mostra onde estou eu que não consigo te perceber. Me ajude a ver que existe uma luz
Leia Mais

6a Feira Santa 45o Dia de Escuta

Entrega Consumada
Lc 23:33-49;Hb 4:14-16, 5:7-9
A Cruz é a única escada suficientemente alta para alcançar a soleira dos céus
George D. Boardman
Chegamos a 6a feira, o dia em que a terra vai chorar a morte de seu salvador. Jesus está naquela sala, conhecida como cenáculo ou “aposento alto” . quem visita Jerusalém pode conhecer o local que se atribui ter dado lugar a essa ultima ceia de Jesus com seus discípulos. Mesmo não se podendo ter a certeza de que aquele é de fato o lugar exato, pode-se ver o lugar elevado, um salão amplo e um ambiente que lembra a descrição bíblica. O local é menos importante em toda a história que estamos acompanhando, especialmente nessa última semana. O mais importante é ter a exata noção do que eles estavam fazendo ali reunidos, eles, mesmo sem saber, estavam presenciando as ultimas instruções de Jesus enquanto vivo nessa dimensão limitada que nosso corpo e espírito ainda nos impõe.
Ontem fizemos a leitura pelo evangelho de João, se seguíssemos aquele texto iríamos ver que Jesus deixa o salão e segue na direção do vale de Cidrom a caminho do Monte das Oliveiras. No caminho provavelmente encontrou uvas plantadas e aproveita para ensinar sobre a relação que devemos manter com a videira verdadeira que é ele e com o agricultor que é Deus. Nessa lição ele mostra a necessidade de estarmos ligados pela sua Palavra. (Jo 15) . Na sequencia ele gasta tempo em oração no getsemani e ali mesmo é preso, entregue por Judas em traição que mais tarde lhe custaria uma crise de consciência que lhe fez atentar contra a própria vida.
A leitura de hoje já nos lança ao local da cena que o mundo não queria ver, mas teve que presenciar, a morte do filho de Deus. Mas como sabemos, todos os episódios do evangelho nos mostram lições. A morte de Cristo, a despeito de toda dor que ele viveu, nos ensina muito e em diferentes áreas de nossas vidas.
Jesus foi crucificado com criminosos. Isso seria algo detestável para qualquer judeu, morrer crucificado. Esse estilo de pena máxima era algo romano e praticado cruelmente por essa nação opressora. O justo e prefeito filho de Deus se faz o mais reles dos seres humanos e com eles compartilha seus últimos momentos de vida. A maioria de seus seguidores havia fugido, e ele está só ali, na cruz. Mesmo diante de tudo que vive, em momento algum Jesus buscou usar de sua autoridade, mas se submeteu a sua missão, esse era o seu foco.
Aprendo que manter o foco na missão que Deus me concede é a minha tarefa. Mesmo diante das dificuldades, o que recebi de Deus devo cumprir. E isso me faz questionar como tenho levado a cabo, se tenho, a missão que entendo Deus tem me dado. Saiba que não há um simples ser humano neste globo para quem Deus não
tenha um propósito. A diferença está em saber ou não saber esse propósito. Quem sabe e busca cumprir, encontra a felicidade, quem não sabe, viverá sempre no déficit de propósito na vida e, aquela história do lugar no coração que somente é preenchido por Jesus, saiba é aqui que se torna verdade
Jesus é humilhado. Escarnecem dele, fazem chacotas, desafiam seu poder , mas de seus lábios saem apenas as conhecidas palavras “ pai perdoa-lhes eles não sabem o que fazem…” enquanto Jesus estava ali sofrendo por mim e por você, enquanto ele fazia um esforço hercúleo para tentar arrancar um pouco de ar através de seus pulmões imprensados pelas costelas crucificadas que os pressionava, enquanto ele sofria o pecado de toda a humanidade e daquela cruz brindava o mundo com seu sacrifício, enquanto essa cena imersa em uma profundidade espiritual que não se consegue descrever, havia ali, bem embaixo dele, um grupo de soldados romanos preocupados com quem ia ficar com suas vestes e assim jogavam sorte sobre elas. Aprendo que a força do perdão nunca estará em minha capacidade de agir nessa direção, mas sim em minha compreensão de que nesse momento, Jesus estava vencendo o mal do ódio e a tentação de revidar por mim. Nada poderia ser mais tentador para ele do que acabar com tudo aquilo em um piscar de olhos, assim ele poderia, mas assim ele não fez. E, porque não fez? Saiba, porque eu e você não poderíamos fazer aquilo e ele ali representava cada um de nós. Jesus viveu o que eu e você viveríamos e por isso sua morte é expiatória. Perdoar não e um ato condicional, Jesus perdoou seus algozes sem que eles sequer tenham pensado em solicitar qualquer perdão. Alguns poderão dizer: “ mas eu não sou Jesus” de fato não é, mas deveria procurar, como seu discípulo se parecer ao máximo com ele.
Sua morte trouxe liberdade. Quando Jesus morre e naquele momento que entrega seu espírito, diz o texto, o véu do templo se rasgou. O véu era o que separava o santo lugar do lugar santíssimo. Naquele lugar santíssimo somente o sumo sacerdote podia entrar para representar o povo e expiar os pecados com os sacrifícios uma vez por ano, no período da Páscoa. Agora o véu não existia mais e o acesso estava liberado. Qualquer um de nós em uma simples frase, em um simples desejo, sem formalidades de qualquer tipo pode hoje falar com Deus e ter o prazer de desfrutar de sua presença.
Aprendo que o meu relacionamento com deus se dá hoje exclusivamente por Jesus Cristo, ele se fez sumo sacerdote e em seu nome eu ganho esse privilégio de poder estar na presença de Deus. Os ritos tem a sua validade quando honestamente facilitam o acesso a Deus, mas de nada valem quando se tornam uma prática religiosa e um fim em si mesmos. Você não precisa de rezas, mantras ou de sessões especiais para desfrutar da presença de Deus, apenas chame pelo seu nome e em nome de Jesus o procure no íntimo de seu coração .
Hoje, 6a feira da paixão, o dia em que o seu Senhor foi assim morto e na sua morte nos ensinou a lidar coma vida. Viva esse dia onde quer que você esteja na dimensão mais profunda de seu sentido.
Minha Oração
Senhor Jesus. Hoje  ́um dia que eu poderia chamar de triste, mas como triste apesar de toda tristeza do que fizera contigo? Como triste se nesse dia tu me ensinas lidar com meus maiores dramas. Meu coração está contrito, mas meu espírito não deixa de regozijar. Hoje eu morro contigo para viver para sempre.
Leia Mais

5a feira 44o Dia de Escuta

Memória da Entrega
Jo 13:1-17;1Co 11:23-26
O Cristianismo é o único lugar onde a rendição redunda em vitória
Rev. Vance Havner
Hoje e um grande dia, o dia em que celebramos a instituição da Ceia do Senhor como um sacramento, uma ordenança que deveríamos realizar sempre, até que ele venha. 5a feira é um dia e uma noite muito especial. Talvez você esteja conosco nesse período de jejum e oração e hoje mais uma vez você experimentará um tipo de sacrifício, uma privação, seja lá qual for, para lembrar a você a maior privação que alguém já passou aquela de ser justo, perfeito e sem pecados e morrer como um dos piores, inimigo do povo, humilhado e exposto publicamente ao ridículo . Na sua oração, não deixe de considerar isso.
Jesus se levanta e durante a Ceia, lava os pés dos seus discípulos. Perceba que João não menciona os detalhes da Ceia, ele foca seu evangelho na preparação dos discípulos para o que acontecerá no dia seguinte quando ele for perseguido e crucificado. As coisas vão ficar difícil para os discípulos e João se preocupa em narrar o que Jesus disse para que possamos nos manter firmes, mesmo nas adversidades. A lição primeira e de humildade e o foco nesse texto, na maioria das vezes se concentra nesse aspecto. Mas eu quero mostrar um outro aspecto, que creio refletia a preocupação de Jesus com esses discípulos. A frase que destaco nessa primeira parte diz assim: Você não compreende agora o que estou lhe fazendo; mais tarde, porém, entenderá”. Isso foi dito a Pedro, que não entendia o que se passava com o mestre lavando os pés de seus amigos. Perceba a preocupação com o futuro desses homens, que não compreenderiam de pronto tudo que aconteceria a partir daquela noite, somente mais tarde tudo faria sentido.
Jesus usa essa situação também para ensinar sim sobre a atitude de humildade, não há posição no mundo que dispense a humildade e de alguma forma, como diz o poeta Dylan em sua canção,“ você terá sempre que servir alguém” . Na celebração da Ceia, Jesus vai mostrar como ele seria sacrificado, mas perceba que esses homens não tinham ainda a noção completa das coisas, estavam sendo ensinados. Paulo coloca na sua carta aos coríntios os detalhes daquela  noite que João preferiu não incluir.  
O Pão ele compara ao seu corpo que afirma “ que é entregue, partido por vocês” . eu estou sendo sacrificado por vocês e pela humanidade, estou tomando o lugar do cordeiro, e esse sacrifício será para a eternidade. Quando Jesus diz “ façam isso em minha memória” ele está dizendo da necessidade de manter a nossa mente ativa e atenta no que diz respeito ao que Jesus representa em nossas vidas, lembra sempre que ele se entregou por nós, sofreu por nós e tudo que fizermos nesse mundo deve sempre levar em conta esse momento, o momento de sua entrega total.
Eu creio que hoje você já pode compreender a profundidade desse ato e talvez quem sabe nunca tivesse atentado para seu real significado. Pois bem, hoje a noite, na Igreja, teremos a celebração da Ceia de uma maneira especial e a sua presença trará ainda mais sentido a esse momento. De uma forma ou de outra, presente hoje a noite ou não, sempre que participar de uma celebração de Santa Ceia, Eucaristia, lembre que isso ocorre hoje por mandamento de Jesus e que celebramos como memória de sua vida, paixão, morte e ressurreição. Hoje celebramos a entrega de Jesus por nós e aguardamos assim a sua vinda gloriosa.
Minha oração
Deus, obrigado por Jesus, obrigado pelo seu amor. Me ajude a enxergar todas as coisas da maneira que desejas. Que cada celebração de Santa Ceia, seja para mim um momento tão especial quanto tu desejas e que eu esteja sempre ligado nessa abençoada memória de tia entrega por nós

Leia Mais

4a feira 43o dia de Escuta

Entregar-se  ou  Entregar?
Jo 13:21-30;Hb 12:1-2
Podemos trair a Cristo não somente com as nossa palavras
mas também com nosso silêncio
J. Hudson Taylor
 
Amanhecemos hoje na 4a feira os eventos que vão acontecendo vão se alinhando para que se cumpra cada passo daquilo que foi anunciado.  O sacrifício de Jesus teria que acontecer durante a celebração da Páscoa. Toda a associação de Jesus como o Cordeiro de Deus, com o sangue derramado, somente faria sentido se ligado a essas celebrações. A libertação pela Antiga Aliança está para ser deixada de lado e a Nova Aliança para ser anunciada. Não mais sangue de bodes e touros como vimos recentemente, mas o sangue do Cordeiro de Deus, de uma vez por todas haveria de ser derramado.
Estamos na celebração da Ceia Pascal. Essa noite ´a mais celebrada pelo povo judeu até os dias de hoje. Quando cada família judaica se reúne hoje para celebrar a Páscoa eles fazem a menção da libertação da escravidão e prometem que nunca mais serão escravos novamente. Tive o privilégio de viver um tempo em Israel, vivi a celebração da Páscoa em um Kibbutz, comunidade onde morava e trabalhava. Eles não eram religiosos, mas a celebração da Páscoa tinha um significado especial e a festa foi muito grande naquela data, isso porque celebravam a liberdade.
Jesus inicia aquela ceia, na mesa havia os elementos que compõem a ceia pascal, mas não há menção do cordeiro. Não sabemos se propositalmente ou não, mas podemos fazer aqui uma inferência benigna. O Cordeiro de Deus estava ali, sentado a mesa, no centro daquela celebração e se preparava para ser imolado, assim como previa a celebração da Páscoa. Mas antes de ir adiante, ele diz que dentre eles havia um traidor, alguém que o entregaria e pelo próprio texto sabemos que era Judas quem faria isso. Judas simplesmente cedeu a tentação de levar alguma vantagem pessoal e por algumas moedas se vendeu aos líderes judaicos, que desejam matar a Jesus. Os discípulos não compreendem muito bem aquele momento, assim como não compreenderam muitas coisas de início. Mas João, que escreve este texto, estava atento a cada passo naquele cenáculo como quem sabe que dali em diante as coisas somente seriam piores e ele seria um dos que não se afastaria de Jesus ate a sua morte na cruz.
Algumas lições existem aqui neste texto do evangelho e na carta aos Hebreus. Inicialmente vejo que por mais que estejamos por perto do Senhor, andando com ele, desfrutando de sua presença corremos o grande risco de sermos seduzidos por propostas que se opõem à vontade perfeita de Deus. Judas pode ter traído por algumas moedas, mas não se espante se eu disser que por menos que moedas muitos tem traído a Jesus hoje. Muitos traem por conveniência,outros por receio de julgamentos sociais, e ainda outros o trairão sempre porque não conseguem se posicionar em nenhuma situação em favor da causa de Cristo.
Na realidade este mundo que vivemos é de fato tentador para uma traição. As oportunidades são muitas, afirmar algo de maneira absoluta não faz parte do politicamente correto de hoje, fazer coro com Jesus e afirmar que ele é o UNICO CAMINHO para Deus não gera simpatia na maioria dos meios onde você e eu andamos. Mas o que fazer? Calar, se omitir? Não seria isso um tipo clássico de traição? Especialmente quando você sabe que ele, Jesus, fez tudo e se entregou todo por você?
Por isso que o escritor de hebreus afirma categoricamente : corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Se não atentarmos para esse conselho acabaremos por trair a confiança de Jesus e entregaremos ele para ser crucificado por aqueles que, mesmo estando por perto de nós, não nutrem simpatia pelas suas palavras, que consideram duras e exclusivistas.
A entrega de Jesus foi assim completa, sem restrições. Nessa mesa, ele está iniciando aquilo que nunca mais os cristãos deixariam de fazer, ate o dia em que ele venha novamente e com ele celebremos na glória. A Ceia do Senhor tem esse propósito de nos manter ligados e focados em Cristo, em sua missão e especialmente em seu sacrifício. A consciência disso nos ajudará a vencer a tentação da traição. Afirme isso a cada dia, cada vez que você perceber a tentação de calar, de consentir, de falar o que não deveria falar. Cada vez que aquele sorriso maroto de concordância com o que as pessoas dizem da fé se insinuar pra você, olhe para Cristo, você está correndo o risco de entregar Cristo. Por isso, foque nele e a vitória chegará a você.
 
Minha Oração
 
Deus, por favor, me ajude a vencer cada tentação que me sondar e desejar me envolver . Me dê sabedoria suficiente para perceber que no que parecer pouco, pode significar que esteja em muito te traindo.

 

 

 
Leia Mais

3a feira 42o Dia de Escuta

Vida Entregue
Jo 12:27-36;1 Co 1:18-31
Quanto mais um homem renuncia a si mesmo, mais se aproxima de Deus
Horácio

 
Hoje é terça feira da semana santa, estamos agora com Jesus vivendo seu drama de entrega e ao mesmo tempo sentindo o peso de sua missão. Ele pensava na cruz, no seu sofrimento que se aproximava. O seu coração está angustiado e com certeza na hora de fazer a sua oração ao Pai, ele se mostra confuso. Talvez você, assim como muitos, entenda que Jesus não podia sentir peso porque ele era Deus. Na realidade, Jesus era a expressão perfeita de um ser humano na dependência do Espírito Santo. Aquilo que eu e você sentiríamos, Jesus também sentiu e por isso, com autoridade, se fez sacrifício em nosso lugar. A grande diferença reside no fato de que ele estava na total dependência do Espírito, o que nós ainda estamos distantes. Há ainda pecado em nós, há ainda muito em nós que nos afasta dessa dependência.
Jesus está prestes a ser entregue nas mãos daqueles que o levarão à cruz, mas a sua atitude é de entrega, a consciência dessa entrega é o que o levou a angustia naquele momento. O povo não compreende totalmente se foi um trovão ou os anjos quando Deus fala em voz audível. Mas não é de se estranhar porque até os dias de hoje a mensagem do evangelho, a salvação através do sacrifício de Jesus Cristo continua, para muitos, sendo uma loucura total.
O que Jesus anunciou e o que Paulo testificou na sua carta aos  coríntios também não é aceito. Os gregos querem sabedoria os judeus milagres, e Paulo completa: mas nós pregamos a Cristo crucificado! Não culpo os gregos e judeus na sua ignorância, pense comigo um povo que tinha as suas expectativas e suas crenças filosóficas  de repente recebe uma mensagem que um judeu, que morreu crucificado entre dois ladrões na Palestina ocupada pelos romanos é o filho de Deus que veio nos salvar? Somente o poder do Espírito santo pode levar alguém com esse pano de fundo se render a essa“Boa Nova” .
Essa e a mensagem que mesmo parecendo loucura na perspectiva humana é salvação na perspectiva divina. Essa é a mensagem que ao longo destes séculos e desde esse tempo tem cativado corações, quebrado barreiras, ensinado pessoas o caminho do amor, trazido restauração a tantas vidas e transformação a tantas outras. Essa é a mensagem que tem sustentado este mundo. Pense comigo que por conta dessa mesma mensagem, loucura para os sábios, milhões de pessoas tem entregue as suas vidas em favor dessa obra. Sejam missionários(as), evangelistas , pastores(as), povo de Deus que nunca mediu consequências para anunciar o evangelho e assim tem feito até os dias de hoje.
Eu e você somos privilegiados por termos acesso ao evangelho na forma que está posto hoje em nossas vidas e em nosso cotidiano. Nesse mesmo tempo, século XXI existem pessoas que sequer podem abrir uma bíblia livremente. Recentemente ficou constatado que o cristianismo é a fé mais perseguida do planeta e não são poucos os que sofrem para torna-la conhecida mesmo diante de fortes ameaças e risco de suas próprias vidas. Estas pessoas tem entregue suas vidas nessa missão. Mas não poderia ser diferente, poderia? O nosso Senhor também se entregou, foi o primeiro exemplo de entrega total a nos motivas a uma atitude dessa natureza. Nunca espere ser compreendido em sua fé, essa não deve ser a nossa expectativa e sim, anunciar com nossas vidas, entregar a nossa existência nas mãos de Deus dizendo apenas eis-me aqui!
Talvez você não seja aquele missionário(a), transcultural, talvez você não seja aquele(a) que se tornará um pastor(a), mas isso é o que menos importa nesse instante. O que de fato importa aqui e simplesmente a resposta que você dará a essa pergunta: Sua vida está de fato entregue a Deus?
 
Minha oração
 
 Jesus, li hoje sobre a tua missão e percebi o teu coração angustiado, mas a tua postura diante daquele terrível sofrimento me conquista sempre. Que teu exemplo me motive sempre a ser alguém para quem entrega signifique muito mais do que ser parte de uma comunidade, ou seguir alguns princípios  éticos e morais. Que isso signifique minha vida em tuas mãos.
 
Leia Mais

2a Feira 41o Dia de Escuta

Adoração e Entrega
Jo 12:1-8;Hb 9:11-15
Adoração é quando uma mão se estende ao alto e a outra
 se estende ao próximo em socorro
Autor desconhecido
Não há como precisar  a exatidão dos dias nessa sequência da ultima semana de Jesus em Jerusalém. Sabemos no entanto que nestes textos do evangelho ele está na cidade e no caminho para o calvário. Betânia era uma vila, nas cercanias de Jerusalém e lá era a casa de Lazaro e suas irmãs Maria e Marta. No registro do evangelho existem dois outros episódios nessa mesma casa. Em uma das passagens por lá Marta e Maria entraram em uma polemica, Marta estava todo tempo servindo a mesa e cuidando da casa enquanto Maria, concentrava-se nas Palavras de Jesus, estando a seus pés.
Jesus mencionou que Maria havia escolhido a boa parte. Claro que ele não se referia ao serviço com desdeem , mas sim como algo que poderia esperar enquanto ele estivesse ali, ministrando. Observando esse episódio, perceba que Maria parece que continuou coma mesma postura, procurando estar ao lado de Jesus e Marta da mesma forma continuava servindo a mesa. Dessa vez Maria foi ao que poderíamos chamar de extremo, limites de uma postura de entrega. Quando ela quebra o vaso de perfume de Nardo puro, está realizando um sacrifício de louvor e adoração. Sacrifício não somente porque o ato em si foi um gesto de adoração, uma atitude que sugere quebrantamento, lavar os pés era algo que estava ligado a um ato de humildade, somente os servos faziam isso. Mas também porque o perfume que ela derramou foi uma preciosidade. Nardo não era uma colônia qualquer, era um perfume que custava muito caro.
Maria não mediu esse preço para derrama-lo sobre os pés de Jesus e enxugar com seus próprios cabelos. Você percebe o significado desse ato? Chamou a atenção de Judas, que cuidava do dinheiro e sua observação mencionando o desperdício recebe a repreensão de Jesus e mais uma vez Maria recebe elogios pela sua acertada postura.
Na nossa vida nunca será diferente, quando nossa atitude se assemelhar ao que Maria fez, será sempre um excelente sinal de que estamos na direção certa. A adoração verdadeira é uma marca de quem entende o valor de um relacionamento aprofundado com Deus. Mas algo precisa ser deixado claro e neste episódio está bem delineado, a atitude de adoração não se limita a gestos, tampouco a sentimentos, mas sempre se revela quando existe uma entrega real e significativa de nossas vidas e daquilo que valorizamos. Cada um de nós tem sempre um frasco de nardo pessoal que precisa ser quebrado e derramado aos pés de Jesus. Algo que valorizamos e que temos dificuldade de entregar a Deus, isso precisa ser vencido pela verdadeira atitude de adoração.
Adoração significa entrega total, sem limites de tudo e de todo nosso ser. Levantar as mãos ao céus  não será nunca suficiente se o restante de nosso ser não estiver também elevado ao alto. A entrega de nossas vidas precisa incluir tudo que nos envolve. Todos nós temos dons, talentos, habilidades, recursos que nos foram dados por Deus e disponibilizar tudo isso para ele, faz parte de nossa rendição e entrega. Você pode avaliar a quantas anda a sua atitude de adoração medindo aquilo que de prático você disponibiliza para Deus. O gesto do povo de Deus e do Rei Davi em adoração quando da dedicação do templo foi de muita entrega, o que marcou isso foi mais que cânticos, trombetas e chofares, ali houve disponibilidade daquilo que eles tinham e valorizavam.
No texto da carta aos hebreus fica claro que quem nos leva à plenitude da adoração é Jesus Cristo nosso sumo sacerdote que com  sua morte e ressurreição  venceu o ultimo inimigo e triunfou nos dando o direito e o livre acesso a presença de Deus. Sem Jesus, a verdadeira adoração nunca será realidade, sem Jesus ficamos de fora do santo dos santos. Eu creio que você está percebendo que esse tempo de escuta lhe levará naturalmente a uma atitude de entrega, ou pelo menos lhe mostrará o quanto ela é necessária.  Decida hoje que a sua adoração envolverá mais do que braços erguidos e significará entrega de todo o ser.
 
Minha oração
 
Senhor, que minha atitude de adoração seja de entrega total. Me ajude a enxergar tudo em minha vida onde exista a possibilidade de te servir em verdadeira adoração.

 
Leia Mais

Domingo 40o Dia de Escuta

Promessa É Promessa 
Lc 19:28-40;Sl 118:1-2
As possibilidades são tão brilhantes como as promessas de Deus
J. Hudson Taylor
Hoje começamos a terceira parte de nossa campanha de crescimento espiritual, entramos na semana crucial da história da humanidade. Jesus inicia sua jornada na direção do calvário. Hoje, de posse do texto, do registro histórico sabemos como tudo aconteceu, mas estamos diante de uma multidão de discípulos e de admiradores que a essa altura já era grande. Eles viram Jesus entrar em Jerusalém e enxergaram naquele momento um ato de cumprimento profético. A profecia de Zacarias dizia que assim seria. Assim essa aclamação se justifica, mas também  levemos em consideração que Jesus já havia feito muitos milagres e já era bem conhecido. Ali, deveria haver um numero grande de pessoas que já teria sido alvo da ação de Deus através de Jesus. Nossa semana se inicia com uma reflexão sobre a soberana e perfeita vontade de Deus, além do cumprimento de seu plano e da missão salvífica de Jesus.
Procuro enxergar na perspectiva de Jesus, sei que não é fácil , mas tento assim mesmo. Vejo Jerusalém surgindo pela encosta do Monte das Oliveiras, o grande monte do Templo adiante e a multidão se ajuntando, essa multidão está aclamando Jesus como rei, mas ele sabe que isso é passageiro e logo, muitos desses estarão gritando Barrabás em troca de algum proposta dos lideres judeus. O coração endurecido desse povo era conhecido por Jesus, pouco tempo depois ele vai prever a destruição dessa cidade, chorando sobre ela. Não soube reconhecer o momento de Deus , rejeitou seus profetas.  Assim ele se dirige a cidade, se depara com aquelas imensas muralhas e provavelmente pensa que elas não ficarão de pé  em um futuro próximo. Assim escuta os gritos da multidão hosana nas alturas, bendito o que vem em nome do Senhor…
A Palavra de Deus nunca volta vazia, isso já sabemos e hoje podemos perceber que mais uma vez isso se cumpre. O messias esperado está ali, onde e como por séculos foi dito que ele estaria, Deus cumpre sua promessa. E em nossas vidas isso deve nos servir de exemplo. A promessa da Palavra de Deus não se move, não se mexe, não muda, ela é sempre assim, verdadeira e em seu tempo haverá de se cumprir. Na sua vida assim como na minha já vivenciamos situações onde esperamos para ver o cumprimento da promessa de Deus, ou, quem sabe você ainda está esperando por ela. Hoje você pode fortalecer a sua convicção de que Deus está sempre a caminho, em sua direção assim como estava a caminho de Jerusalém, um dia ele chegará e você o aclamará pela sua fidelidade.
Mas vejo um outro angulo que precisa ser observado aqui. Perceba que os religiosos judeus, os fariseus, sempre eles, ficaram indignados com aquele alvoroço, com aquele tumulto em torno do que eles diziam ser a promessa do messias sendo cumprida. Ele não estavam enxergando em Jesus o enviado de Deus e por isso o incomodo em seus corações. Quando se dirigem a Jesus para dele solicitar que se calem a resposta de Jesus é digna de nossa reflexão. Se eles calarem as pedras clamarão. Eles não podem se calar porque esse e o momento da história que Deus escolheu para glorificar o seu nome, eles estão fazendo aquilo que todo ser humano deve fazer , reconhecendo o tempo de Deus em suas vidas, a graça de Deus e a sua grande misericórdia em enviar seu filho a esse mundo para nossa salvação. Como poderiam calar diante dessa verdade. Ate as pedras clamarão diante de um momento assim.
Vejo aqui a lição para nossas vidas se completar hoje. Elevando as mãos, erguendo ramos, louvando de alguma forma, devemos sempre glorificar o nome do Senhor pois somente ele é digno disso.  O salmista no texto de hoje apenas registra a expressão de louvor e reconhecimento quando diz : Que Israel diga: “O seu amor dura para sempre!”  
Tenha sempre em sua vida a certeza de que mesmo nos momento onde o que está em sua volta não parece concordar, as promessas do Senhor se cumprem e elas sempre são para o nosso bem. Hoje iniciamos com Jesus uma caminhada até o calvário, mas antes vamos experimentar cada momento, dessa jornada e vive-lo com toda intensidade. É uma excelente oportunidade para a realização de um jejum que lhe ajude no tempo de reflexão. Inicie hoje, para entregar esse jejum no próximo domingo com um grito de vitória semelhante aquele que chamou jesus da morte.
 
Minha Oração
Senhor, sei que há um tempo para tudo e para todo teu propósito. Me ajude a enxergar esse tempo em minha vida. Me ajude a ser um dos que clamam, que anunciam e que nunca irão permitir que as pedras clamem em seu lugar

 

 

 
Leia Mais

Sábado 39 Dia de Escuta

Atitude  

Mc 10:46-52;2Co 4:13-18
A nossa natureza está no movimento: O repouso completo é a morte
Pascal
Um homem que durante toda a sua vida não teve o privilegio de poder enxergar a luz do dia, as cores da natureza e a face dos seus semelhantes, alguém que nunca pode perceber as expressões que um rosto humano expressa como resultado de sentimentos como dor, tristeza, reflexão, alegria, desencanto, dúvida … talvez para alguém que enxergue isso possa parecer mais que normal, mas pense comigo, ser privado disso algo sutilmente triste.
Assim era a vida de Bartimeu, conhecido na região ao ponto de ser mencionado pelo nome pelo evangelista Marcos, que registra o episódio de hoje para nossa reflexão. Sempre que leio esse texto me ocorre algo a observar que me parece inédito nos meus muitos pensamentos sobre essa história. Entre todas elas me chama muito a atenção a atitude de Bartimeu e o que o cercou. A narrativa diz que quando soube que era Jesus passou a gritar pelo seu nome. Aqui vem a primeira atitude que me chama atenção nessa história.
INICIATIVA, o que conseguiremos sem ela? Pouco, posso lhe garantir, pouco diante do que podemos obter com ela. Ele sabia quem era Jesus, mas como tantas pessoas, poderia simplesmente esperar uma iniciativa de Jesus, ou permanecendo em seu estado de inercia, não se mover. Não estranhe, iniciativa, pro ação não é algo que está na pessoa da maioria das pessoas. Boa parte delas espera que as coisas aconteçam ao invés de provocá-las. Qual e a sua postura quanto a isso? Jesus está passando a cada dia, a cada momento diante de você, como agora mesmo quando você lê, medita e, aplica ou não estas palavras. Bartimeu se levantou, foi na direção de Jesus, ele sabia que ele poderia sarar a sua vida, dar a ele a visão que nunca teve e por isso, levantou-se e partiu. Você tem alguma duvida em relação a isso? você sabe que Jesus pode? Portanto o que está esperando? Parta em direção a ele, tenha INICIATIVA.
PERSEVERANÇA, quando se levantou e foi na direção de Jesus, Bartimeu pode perceber que seu maior inimigo naquele momento não era a sua deficiência visual e sim aqueles que, não enxergando o propósito do amor de Deus em Cristo tentavam impedir que ele se aproximasse de Jesus. Uma guarda voluntária de segurança de Jesus já se colocava a postos e o repreendia quando clamava. Essas pessoas representam aqui obstáculos que se colocam em nossas vidas. Podem ser mesmo pessoas, mas também podemos considerar aqui situações, nuanças de nosso ser, ausência de fé, desilusão, cansaço etc.
Esses obstáculos são comuns em todas as vidas. Olhando a atitude de Bartimeu, me inspiro para seguir tentando, para nunca desistir pois certo é que Jesus sempre estará passando e por onde ele passa ele deixa a sua marca de amor e de misericórdia. Li algo certa vez algo que dizia que a tristeza em ver as pessoas que desistem  com facilidade e perceber que elas sequer sabiam o quanto estavam perto da vitória quando tomaram essa decisão. Jesus disse que a semente brotou, mas observa “com perseverança”.  Portanto, PERSEVERE
FÉ, ninguém vai longe na vida com Deus sem exercê-la. A bíblia diz que sem fé é impossível agradar a Deus. Bartimeu tomou a iniciativa, perseverou mas isso se deu por conta da fé que havia em seu coração. Aquela certeza das coisas que não vimos ainda, é o que nos move. Nossa fé é fortalecida pelas situações da vida, pelo exemplo de outras vidas e pela história do povo de Deus ao longo da sua história. Quando vejo acontecer na vida de alguém a resposta de Deus, isso fortalece não apenas aquela pessoa, mas a mim também, Deus é de fato, um Deus de promessas e nisso está fundamentada a  minha existência. Não deve ser diferente na sua. Pense sempre nisso.
No texto da carta aos coríntios Paulo está tratando exatamente disso. Cri por isso… cri por conta de minha fé, de minha certeza de que ele sempre agirá e de uma forma ou de outra, eu estarei ali sendo abençoado com sua perfeita vontade. O apóstolo, baseado em sua própria experiência apresenta as situações da vida que se colocam diante de nós, os obstáculos, barreiras e os sofrimentos que ele, sabemos enfrentou tanto e especialmente por fazer a vontade de Deus. Ele coloca a necessidade de olhar para que não se vê, isso é eterno. Talvez aqui se aplique as coisas que não se veem como as coisas espirituais, as promessas uma vez que essas coisas são eternas e as demais, como ele mesmo diz, são transitórias.
Com o exemplo de Bartimeu em sua ATITUDE, PERSEVERANÇA E FÉ,  e com o exemplo prático de Paulo e de sua própria caminhada, siga hoje na direção do acerto e que seu acerto seja no alvo de ser e fazer a vontade de Deus sempre.
Minha Oração

 

Deus, preciso tomar decisões em minha vida, preciso seguir na direção do acerto me ajude a ter atitude, a perseverar e a ter fé em todas as situações
Leia Mais

6a Feira 38o Dia de Escuta

Primeiro os que Servem 

    Marcos 10:32-45;2 Coríntios 4:1-12
E chegado o momento de substituir o ideal de sucesso pelo ideal de serviço

Albert Einstein

 

Não poucas vezes me deparo com situações no evangelho onde me pergunto até onde os primeiros discípulos de Jesus de fato estavam o seguindo por algum interesse privado, por ser uma novidade ou porque de fato estavam entendendo a mensagem de Cristo. Em seguida vou terminar concluindo que da fato seria uma mistura disso tudo. Em alguns momentos poderia isolar uma dessas possibilidades e ainda outras mais, noutros concluo que eles na realidade estavam muito aquém de uma real compreensão. A leitura de hoje me lança na segunda possibilidade.

Jesus está anunciando aquilo que é o desfecho de sua missão, o momento crucial, o ápice de tudo aquilo que ele veio fazer neste planeta, a razão pela qual Deus se fez carne e habitou entre nós. Aquilo que se transformaria mais tarde no maior exemplo de amor jamais visto em toda história do universo quando Deus entrega seu filho por amor de cada um de nós. Perceba a seriedade do momento, veja como Jesus está quase que perceptível nas letras , com um coração pesado. Mas de repente, ele acaba de falar e esses homens, como alunos em uma sala de aula, levantam as mãos para o direito a uma pergunta, uma dúvida que precisa ser esclarecida. Neste instante, o professor, mestre da sala de aula fica na expectativa de uma pergunta inteligente ou, que pelo menos se refira com fidelidade ao assunto que vinha sendo tratado. Mas alguns dos alunos, como quem não está ligado com o assunto levantado pelo mestre, se saem com uma pergunta que vai ao avesso do tema. “Mestre, queremos que nos faças o que vamos te pedir”.  Sim , o que desejam? Queremos ter privilégios, queremos diferenciação, queremos destaque!!!

Oh meu Deus, Jesus de fato tinha domínio próprio, paciência e todos os demais componentes do fruto do Espírito. A minha vontade, apenas lendo o texto é a de dizer alô…. vocês estão ouvindo o que ele está dizendo? Seu mestre está narrando sua via dolorosa, sua jornada em sofrimento, sua expectativa da morte humilhante e vocês estão preocupados com privilégios e diferenciações? Mas depois, com mais calma, vejo que essa é a realidade de uma humanidade dacaida, de um ser humano distanciado de sua perfeita imagem e semelhança com o criador. Esses somos nós em nossa parca compreensão de Deus e de seu propósito.

Somos chamados para anunciar e viver essa realidade de sacrifício vivida por Cristo em nosso favor, de tudo que ele viveu e da forma que ele morreu por nós que por nossa distancia de sua perfeição nada mereceríamos. Mas, muitas vezes estamos sim preocupados  com nossos privilégios, com o que receberemos e muito pouco nos preocupamos com aquilo que precisamos dar. Talvez você diga agora, mas comigo não é assim, eu não busco posição, diferença, ou qualquer privilégio. Mas me permita dizer que você se engana nessa afirmação. Sim você busca, você deseja, tanto que quando não vem , seu coração se entristece, seu folego desfalece, você até derrama lagrimas, sofre, mas, mesmo assim continuará afirmando que “ não se preocupa com essas coisas” por favor, entregue-se à verdade. Se nada disso lhe incomodasse, você não ficaria dessa forma quando se trata de não receber  reconhecimento. Os louros fazem falta a todos nós.

Depois de seguir inquerindo eles a respeito do que eles poderiam aguentar e sempre tendo deles a resposta que se assemelha a uma insistência no equivoco. Sim nos podemos… Jesus deixa de lado sua tentativa de argumentos e fecha seu pensamento dizendo que o mais importante na sua perspectiva é aquele(a) que  serve. A perspectiva de privilégios não encontra eco no evangelho, a diferenciação será sempre na contra mão do mundo e dos seus governos e poderes. Vale mais, quem serve mais.

Paulo vai concluindo seu argumento de defesa do seu próprio ministério, se coloca como alguém que anuncia uma luz e não como alguém que tem uma luz. Ele tira om foco da mensagem de sua própria vida e a coloca no centro do evangelho, na pessoa de Jesus Cristo. Quando Paulo se coloca como um anunciador da mensagem “Mas não pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor, e a nós como escravos de vocês, por causa de Jesus.”em seguida vem a sua ênfase pessoal na fragilidade de cada um e na sua própria. O Tesouro,  que é a mensagem do evangelho, o poder de Deus, temos como em vasos de barro que somo nós em nossa fragilidade.

Tanto o evangelho de hoje quanto a carta aos coríntios vai nos remeter a nossa dependência de Deus, a nossa fragilidade e ao poder exclusivo da mensagem do evangelho que é o poder de Deus para a salvação de quem crê.  Hoje você está percebendo a grandeza da mensagem e a pequenez de quem anuncia. A nossa vida é sim privilegiada em diferentes aspectos, ao receber e aceitar a mensagem, em servir a Deus como veículo dela. Ela é poderosa, nós  frágeis. Nossa fortaleza está na consciência desse fato.

 

Minha Oração

Senhor, que o meu ser compreenda que meu maior privilégio é servir à tua causa e que a  minha consciência perceba a fragilidade deste ser e a preciosidade de tua mensagem sempre nessa ordem

 
Leia Mais

5a Feira 37o dia de Escuta

Um Coração Doador 

Marcos 10:17-31;2 Coríntios 3:7-18
Ganhe tudo que você puder, economize tudo que
você puder, doe tudo que você puder
John Wesley

 
Na continuidade de seu ministério, Jesus está ali, saindo de sua casa onde havia ministrado a muitos, logo na saída esse homem veio em sua direção, era um homem rico, judeu e cumpridor dos seus deveres religiosos, como ele mesmo afirma. A sua declaração a Jesus parece sincera, ele de fato estava interessado em ouvir uma palavra do mestre. No entanto, nem sempre, mesmo querendo ouvir, ouvimos o que queremos. A sua questão era algo chave a essa altura, Jesus vinha ensinando sobre a vida eterna, colocando oposição à Lei pela sua ausência de graça e misericórdia, ele queria saber o que precisava fazer então. Quando chama Jesus de bom mestre, é questionado por Jesus com esse tratamento e em seguida mais uma vez testado no conhecimento da Lei. Não temos elementos para achar que Jesus estivesse mais que testando a fé e o interesse daquele homem, conhecido nessa história como o jovem ricoJesus estava tentando expor a realidade do pecado com a Lei , esse homem ainda estava pensando na salvação como algo que se consegue fazendo algo.

É importante perceber que Jesus cita cinco dos dez mandamentos e todos eles se referem ao relacionamento com o próximo, talvez numa tentativa de, usando a lei questionar aquele homem se ele de fato amava o próximo como a si mesmo. Nessa tentativa o jovem responde positivamente que faz tudo isso desde há muito tempo, em seguida Jesus vai mais adiante, e coloca a sua lealdade aqueles mandamentos numa perspectiva diferente a real negação de si mesmo se desfazendo do que tem e doando ao próximo.

Claro que Jesus não queria dizer com isso que esse passo daria a ele qualquer salvação, sua mensagem era de salvação pela fé e nada além disso, mas ele segue em sua tentativa de levar aquele homem à compreensão das boas novas sem no entanto ser bem sucedido. A negação dele em doar seus bens aos pobres apenas mostrou que ele de fato não tinha o amor pelo próximo na medida necessária. Se aquela demanda era o que se pedia para a salvação eterna ele deveria simplesmente reconhecer sua limitação em cumprir por si mesmo esse requisito e se colocar como carente da graça de Deus, mas ele simplesmente se retira mostrando que, mesmo conhecendo a Lei, não tinha a total compreensão daquilo que ela mesmo preconizava.
Jesus nunca condicionaria  a nossa salvação a nada material, mas por isso mesmo cada um deve se reconhecer pecador(a) e necessitado(a) de sua maravilhosa graça. Mas isso nos coloca diante de uma pergunta que pode nos incomodar, mas que precisa ser pensada com seriedade. Estamos usando os nossos recursos financeiros e materiais  disponíveis para a Gloria de Deus? Não assumi que você é rico, apenas que o texto nos coloca diante de uma pergunta que parece não querer calar, até onde entendo a dinâmica do dar como expressão de minha espiritualidade? Quando Jesus afirma a dificuldade dos ricos entrarem no Reino de Deus, ele está nada mais mostrando que os ricos, mas não somente eles, tem a tendência a focar as suas vidas nas coisas materiais. Muitos deles se tornaram ricos porque fizeram isso a vida toda e presos a essa visão materialista de mundo, dificilmente se colocam disponíveis com suas posses para servir a Deus.
Quando eu disse que não somente os ricos tem a tendência a focar suas vidas nas coisas materiais, tento denotar o que nos e obvio, que sem a compreensão da dinâmica de Deus, tanto ricos como não ricos não entenderão jamais que dar é mais bem aventurado que receber. Que esse foi o exemplo daquele que se deu por nós, que nunca quis receber nada senão servir ao propósito de Deus. Ora, se queremos ser iguais a ele, porque focamos nossas vidas muito mais no receber do que no dar, porque questionamos tanto isso, porque isso nos incomoda tanto? Minha resposta a mim mesmo tem sido sempre que isso acontece porque ainda estamos muito distante da compreensão do que seja a vontade de Deus e a nossa submissão a ela. Coloque-se hoje diante de Deus e questione-se a esse respeito, o que você tem feito nesse sentido, para não somente compreender melhor isso, mas também colocar em prática.
A carta aos coríntios segue a ministração sobre a relevância da nova aliança, o ministério do Espírito. Muitos ainda vivem na antiga dispensação, estão ainda com a compreensão limitada, encobertos pelo véu. Colocando-me dentro do contexto do evangelho trago essa reflexão para nossa compreensão dizendo que a Lei dizia que o dízimo era uma obrigação, mas a graça diz que o coração doador é uma expressão de um coração que entendeu que na economia de Deus  quem dá se assemelha a quem tudo deu por nós, que pensa somente em receber se distancia daquele que tenta se aproximar de nós com  seu amor e sua graça.

Minha oração

Senhor, apenas me ajude a entender a dinâmica da entrega e a pequenez do que significa pensar apenas em receber sempre.

 

 

 
Leia Mais

4a Feira 36o Dia de Escuta

Dependo de Ti

Marcos 10:1-16;2 Coríntios 2:14-3:6

No coração do homem, um grito. No coração de Deus a provisão

Stanley Jones

 

Hoje, vou mais uma vez lhe sugerir que comecemos a nossa meditação pelo texto da carta aos coríntios. E ainda mais, iniciarei pelas ultimas frases, que correspondem aos versos 5 e 6 do capitulo terceiro. Estas são palavras inspiradoras. Particularmente, um dia, quando decidi aceitar o chamado de Deus para seguir no ministério e me tornar um pastor estas palavras foram decisivas para mim, minha melhor tentativa de argumentação com Deus no sentido contrário ao seu chamado era de que eu não tinha a capacidade de realizar aquilo para o que ele estava me chamando. O que Paulo escreve vem confirmar isso, de fato nós, por nós mesmos, não temos essa  capacidade, e ele afirma “ a nossa capacidade vem de Deus” . Para tudo aquilo que Deus demanda de nós ele mesmo nos capacitará, sempre. Já vimos nestes dias que até em nossas limitações em resistir ao mal ele nos dá o escape, a saída, portanto se assim faz nesses momentos assim fará nos momentos onde ele mesmo tem um propósito definido para nossas vidas.
Dentro do contexto, Paulo está dizendo aos coríntios, que o estavam rejeitando como apóstolo, e dele demandavam uma carta de apresentação, que a carta dele era a vida de cada um deles e a obra de Deus realizada através de seu ministério. Ele era ministro ordenado pelo Espírito e não por letra, sabedoria ou homens. Isso mais uma vez nos deixa a certeza de que naquilo que Deus demanda, ele comanda. Muito cedo, em meus dilemas pessoais quanto a compreender o chamado, recebi um conselho de um experiente pastor, hoje falecido. Ele me disse, quando Deus chama, Ele se responsabiliza, quando alguém se chama, a responsabilidade é pessoal.
De alguma forma, eu e você fomos chamados para sermos o aroma de Cristo em todo canto, em todas as situações onde nos encontramos e em cada uma dessas situações devemos ter a certeza de que Cristo estará sempre ao nosso lado, como ele mesmo prometeu, até a consumação de todos os tempos. Tenha a certeza de que essa é a verdade, esse é o fato, ele está aí com você nesse exato momento lhe sendo presença divina, inspiração e força em cada situação. Talvez o meu chamado seja diferente do seu, muito provavelmente isso é verdade no que diz respeito às particularidades de nossos chamados, mas de forma comum somos chamados para testemunhar de Cristo e sermos o seu aroma, sempre.
O evangelho vai tratar de uma assunto que diz respeito ao casamento e o divórcio. A Lei dava o direito ao marido se divorciar de sua mulher pelos motivos que ele considerasse relevante e muitas vezes esses motivos eram banais. Isso se tornou um problema sério pois a baliza da justiça humana, falha e extremamente limitada estava mais uma vez sendo o prumo da retidão e, tanto eu quanto você sabemos que isso nunca funciona, não temos tamanha capacidade, julgar não a nossa melhor atribuição, tanto que Jesus nos alerta quanto a esse atributo “ não julgueis …”
Jesus diz a eles que Moisés escreveu aquilo por conta da dureza de nossos corações, exatamente pela ausência dessa habilidade de julgar o que seja correto e pela nossa impossibilidade de seguir com perfeição o projeto de Deus. Claro que o plano perfeito de Deus para nossa vidas e o casamento como parte delas, é, e será sempre uma relação permanente, estável e duradoura. No entanto, a dureza de nossos corações em cumprir o projeto perfeito de Deus, as nossas muitas limitações em seguir sua direção  fazer aquilo que ele mesmo deseja sempre, temos visto tem sido uma de nossas grandes dificuldades. Sem entrar aqui nos meandros desse assunto, que não é um consenso entre os cristãos e nem mesmo fora desse círculo, é importante observar que o que se torna aqui muito importante é o que o apóstolo tenta dizer aos coríntios, viver a vida, exercer ministério, desenvolver relacionamentos, deve sempre e sempre ser algo dirigido pelo Espírito de Deus e nunca pelos nossos próprios juízos, eles são sempre muito limitados.
Hoje receba essa palavra como exortação dos céus, viva a sua vida na dependência do Espirito de Deus, tome suas decisões sempre orientadas pela direção do Espírito, somente  assim nossos corações estarão “ amaciados”o suficiente para que a Graça seja suficiente como guia e a severidade da Lei nunca se faça necessária.

 Minha Oração

 Senhor, reconheço minha incapacidade de julgar a mim mesmo e a outros. Me ajude a enxergar tudo pela lente de tua graça, com o coração amolecido pelo teu amor e pemperado sempre coma tua misericórdia.

 

 
Leia Mais

3a Feira 35o dia de Escuta

Viver Aprumado 

Mc 9:42-50;1 Co14:20-33a, 39-40
Estou procurando alguém que me leia o evangelho
com o sotaque de Cristo
W.V. Martins

 
Uma palavra dura essa que Jesus traz nesse momento, é melhor morrer do que desviar alguém que crê com ensinos enganosos. Isso me faz tremer e temer mais do que qualquer outra coisa. Sei que nem sempre percebemos essa preocupação em todas as pessoas, mas no momento deixe isso de lado, até porque a nossa capacidade de julgar, temos visto, é bastante limitada, mesmo em algo tão obvio como talvez imaginemos ser esse caso.
O exemplo, testemunho e anuncio da verdade é algo que devemos ter atenção redobrada.  E as ilustrações dadas aqui por Jesus nos deixam sem qualquer dúvida. É melhor perder algo para o quê damos muito valor como um membro importante do corpo, uma mão, um olho do que fazer alguém se desviar da verdade.
Perceba a importância dada por Jesus a isso e pergunte a si mesmo(a) hoje, dou essa mesma importância? Se sim, Deus te abençoe, se não, é tempo para refletir, pensar e agir na direção de acertar o prumo. Esta semana estava observando o uso do prumo numa obra aqui em minha casa, meu filho perguntou oque e isso? Se referindo ao prumo, expliquei: filho você já ouviu a expressão desaprumado? Sim disse ele, pois bem perceba que sempre se refere a alguém que perdeu a linha, a retidão, alguém que “penço” não está alinhado com uma referencia qualquer. Na vida com Deus é assim, enquanto não nos aprumamos a referência de sua vontade, de sua Palavra estamos desaprumados e nosso testemunho está “penço”. Vimos no evangelho que Jesus dá uma seriedade a essa questão que nem sempre nós mesmos damos.                       
Na carta aos coríntios e na continuidade da ministração relativa aos dons do Espírito, Paulo está insistindo no propósito dos dons e não apenas nos benefícios pessoais que podem trazer para nossas vidas. Eles existem e isso não e negado pelo apóstolo em nenhum momento, mas talvez por conhecer bem a natureza humana ele adverte com foco no que chamamos de objeto dos dons, eles existem acima de tudo para glorificar a Deus, a sua razão de existir é essa em primeiro lugar.
Mas vejo aqui uma ligação com o que estamos observando no evangelho de hoje, a questão do testemunho, agora no sentido  de propósito. Se o dom, seja ele qual for não servir ao seu propósito para que servirá? Para levar alguém ao engano da vaidade? Para dar a alguém a pobre convicção de um prazer pessoal em detrimento da glória de Deus? Pense, tudo isso pode também desviar alguém do perfeito propósito de Deus, e isso seria arriscado segundo o que Jesus colocou no evangelho de hoje.  O que fazer então? pergunta Paulo!
Na resposta a sua própria  indagação ele diz que tudo deve ser feito com ordem e com decência. As coisas de Deus sempre seguirão nessa direção. A ordem e a decência de um testemunho, a ordem e a decência do exemplo, do modelo a ser seguido. O foco naqueles que chegam e ainda não conhecem a verdade do evangelho mais uma vez , percebam é aqui tratado como muito importante. Mais uma vez a Palavra dá relevância ao que nossas vidas e testemunho pode ser para aqueles que nos observam.
Em Poucas palavras nessa reflexão de hoje pense sobre a seriedade de ter a Palavra de Deus como Prumo para a sua vida e a necessidade de ser esse exemplo e testemunho em todas as dimensões e para todas as pessoas. Talvez você esteja ainda refletindo na mensagem de domingo e nesse Tempo de Escuta, esteja ouvindo a voz de Deus nessa direção, viva essa realidade, seja exemplo e assim, glorifique a Deus.
Minha Oração
 Senhor, quero ser  e viver aprumado coma Tua vontade e fazer aquilo que seja exemplo para qualquer pessoa que me observe, em qualquer situação

 

 
Leia Mais